sexta-feira, 16 de junho de 2017

PAD - "Not So Vain" (single)

PAD - Foto: Francis Farago/ divulgação

PAD lança primeiro single pela Universal Music


Banda de Pop Rock Nacional que nasceu em novembro de 2016 e é composta pelos veteranos Marcos Kleine (Ultraje a Rigor), Fabio Noogh (The Soundtrackers), Thiago Biasoli (Carranca Trio), William Bill de Oliveira (produtor executivo de bandas como a Dr. Sin e baixista na TRINTA E3), Leandro Pit (Os Travessos, Sensação e Intuição) e Rodrigo Simão (teclados e piano).

O nome internacionalizado “PAD” é um trocadilho e traz muitas nuances, como experiência, paz, amor. A ideia veio de uma brincadeira com o Chickenfoot, que em inglês significa pé de galinha. Ainda que a expressão remeta a ter uma certa idade, PAD soa divertido, universal e moderno. Além de tudo, aportuguesando de volta, PAD soa como “pede”, do verbo pedir. Daí o #padqueeuvou #padqueagentetoca #padmais #padqueénoise.

Com o foco e a ideia consolidados em repertório nacional e autoral os rapazes da PAD já estão em estúdio na produção das músicas do primeiro trabalho, com lançamento previsto para o primeiro trimestre de 2017.

Nesta primeira bateria de shows, a PAD, além de mostrar o trabalho autoral, contará com um repertório nacional com os clássicos do Ultraje a Rigor e de bandas marcantes do Rock Nacional.

Viver o momento intensamente e deixar o passado para trás. Não se apegar ao futuro. Divertir-se! A mensagem, escrita pelo vocalista Fábio Noogh e desenhada com o riff da guitarra de Marcos Kleine, deu origem ao primeiro single da Banda PAD, Not So Vain. A música foi lançada em 3 de fevereiro, na Rádio Rock 89 FM, e apresentada no primeiro show da Banda, ocorrido no dia 4 de fevereiro, no encerramento da Campus Party Brasil, no Palácio das Convenções do Anhembi.

Na ocasião, a banda apresentou com exclusividade o segundo single, Sem Destino. “Sem Destino” é uma música vibrante com um riff melódico forte que remete à louca época da New Wave e do Pós-Punk ingleses que influenciou toda uma década, a de 80. A sonoridade tem influências de Billy Idol e do The Police como manda o figurino e a letra, inspirada tanto no filme homônimo em português “Sem Destino” (Easy Rider) quanto na música “Dezesseis”, do Legião Urbana, é um retrato-cantado e falado da realidade de milhares de pessoas que, mais do que nunca, vêm sofrendo de depressão e outros distúrbios psíquicos semelhantes.

Fora do comum, “Sem Destino” não possui um refrão definido e soa, em primeira pessoa e de forma obscura, como se fosse um telefonema de despedida de uma pessoa sozinha em um carro ou moto em alta velocidade à beira de um acidente. Um rap incidental do meio para o fim da música faz menção à doença de forma clara como um alerta ao ouvinte: “A busca irrefreável pelo controle de tudo e de todos o tempo inteiro é uma das coisas que eu mais vejo como indício de depressão nas pessoas, mesmo que não aparentem os sintomas comuns como falta de motivação, desistência e tristeza. Apesar do interno, das descompensações químicas que podem sofrer o c orpo e o cérebro, o apego material e emocional exacerbados, externos, podem se tornar desvios comportamentais que também contribuem para essa fatalidade”, diz Fabio Noogh, autor da letra. Ceder o controle, entender que não é possível se curar sozinho, procurar ajuda profissional são os primeiros passos para o indivíduo ter sucesso no tratamento. Sem isso, por mais influentes e fortes que sejam, nem apoio familiar ou terapias conseguem ajudar”, complementa Noogh.

Nesta sexta, 16/6, o primeiro single da banda está nas plataformas digitais.

Ouça "Not So Vain"  aqui.


Marcos Kleine - trecho de "Not So Vain"


Nenhum comentário:

Postar um comentário