domingo, 30 de abril de 2017

Belchior - Memorial


Belchior:  *26 de outubro de 1946
                 +30 de abril de 2017

Belchior - foto: divulgação


Arnaldo Antunes (cantor e compositor) - depoimento pela página no Facebook: Tristeza pela perda de Belchior. Ele foi o primeiro intérprete a gravar uma música minha, "Estranheleza", em 1982, no LP "Paraíso". Ficam as canções.

Estranheleza"







Duofel - depoimento pela página no Facebook: : Nesta semana falamos nele... Em 1991 gravamos um CD pela Movieplay, com arranjos e acompanhamento nosso... Belchior e Duofel. R.I.P.!














Alaor Neves (baterista - tocou com Belchior) - depoimento pela página no Facebook: Estou bem mal! Quantas viagens, estúdios, ensaios, gravações... Pouco antes de nos "abandonar", encomendou a mim, fazer uma nova banda, que ele nunca viu, nem ouviu... mas ficou barbara! Com ele trabalhei pela primeira vez nos EUA, em uma trip sensacional... Grande e querido Bel, nosso eterno "Bigode"... Tristemente me solidarizo com todos os queridos amigos que junto comigo e a ele, participamos dessa historia linda! Me recolho muito emocionado. RIP amigo querido......

Landau (cantor, músico e compositor) - depoimento pela página no Facebook: : Respeito máximo ao insuperável Belchior... Muito obrigado por tudo... #luauDoLandau #homenagemBelchior #ripBelchior



Kiko Zambianchi (cantor, músico e compositor) - depoimento pela página no Facebook: : Valeu Belchior! Descanse em paz.


Hélio Flanders (cantor da banda Vanguard) - depoimento pela página no Facebook: : Um dia antes dessa foto de nós três, o Adir Sodré me ligou. “Vem. Ele tá aqui”. Obviamente antes dessa ligação eu não tinha conseguido acreditar muito.. O Adir nunca mente, mas acreditar que o Belchior estaria na casa dele à tarde toda falando de arte era meio surreal pra mim. Fui. Ele foi um doce, com seu fumo de framboesa no cachimbo, falando de Matisse e dizendo sobre a tradução da Divina Comédia que ele estava fazendo pro português. No auge dos meus 17 anos, fiquei mudo por horas, totalmente vidrado na imagem daquele poeta que tinha mudado minha (até então pequena) vida. Quero telinha, Adir! - ele disse, e fomos ver as novas obras que o Adir estava trabalhando. Levou várias. Colecionador atento, manjava muito de tudo, amava muito tudo - mas isso todos sabem, né. No dia seguinte abri o show dele cantando uma versão lusitana de “Alucinação”, pouco antes dele ingressar e tocar “Galos, Noites e Quintais”. No fim, o diálogo:- Bel, eu cantei “maldito dever”, tudo bem?- Menino, quando você canta a música é sua.Sorriu (e)ternamente, segurou no meu ombro e seguiu.Belchior deixa um legado incalculável na às vezes rara música não-conformista do Brasil. Obrigado, Antonio.

Ciro Pessoa (cantor do Flying Chair, compositor e poeta) -  depoimento pela página no Facebook: Duas coisas sempre me intrigaram sobre a carreira e a vida de Belchior.  A primeira é sobre a sua posição na mandala da música brasileira. Já no início da sua carreira desferiu um cruzado em cima da máfia tropicalista com os versos " mas trago de cabeça uma canção do rádio /em que um antigo compositor baiano me dizia / que tudo é divino, tudo é maravilhoso." Isto no fim dos anos 70 quando o tropicalismo era absolutamente hegemônico e tratava seus desafetos a tapas e chantagens ( vide Wilson Simonal). Reparem que ele foi um compositor completamente desprezado pelos arautos do tropicalismo e só teve alguma projeção quando Elis Regina ( outra artista que tinha restrições com a turma de Caetano Veloso) tornou-se intérprete ( uma grande intérprete, aliás) de suas canções.  A segunda, e esta acho que compartilhada pela grande maioria dos seus fãs, é saber exatamente o que aconteceu nestes seus últimos anos de vida em que ele se retirou da cena musical e se isolou de tudo e de todos.  Mas com certeza logo mais teremos uma centena de biografias e estes dois enigmas serão certamente desvendados.  RIP Belchior.


Theo Werneck (gutarrista e DJ) - depoimento pela página no Facebook:Para abraçar meu irmão E beijar minha menina na rua É que se fez o meu lábio O meu braço e a minha voz...







Carlos Lopes (guitarrista, compositor e cantor do Dorsal Atlântica) - depoimento pela página no Facebook: Belchior morreu... Sua música está entranhada em minha alma como na de milhões que tiveram a mesma felicidade. Uma perda inestimável ainda mais para um país em frangalhos... Emocionalmente, entendi quando ele cansou do mundo, da carreira, das pessoas e deu um perdido geral. Não sei as razões, mas de alguma maneira entendo porque ele o fez. Estamos juntos, mestre

Alceu Valença (cantor, músico e compositor) - depoimento pela página no Facebook: Conheci Belchior por volta de 1970, quando ele concorreu no mesmo festival em que Geraldo Azevedo e eu também disputávamos um lugar ao sol. Ele havia recentemente vindo do Ceará e sua música era "Hora do Almoço", um clássico. Belchior era um filósofo, possuía uma erudição impressionante. A última vez que nos vimos foi num 14 de julho em Paris. Brindamos juntos a Queda da Bastilha! Há poucos anos, eu estava em Porto Alegre quando soube pela imprensa local que ele havia aparecido na cidade. Mas já era a fase do mistério e não nos encontramos. Foi um dos grandes poetas da música brasileira.

Heraldo do Monte (guitarrista) - depoimento pela página no Facebook: O "artista" é um encosto que baixa no ser humano normal e feliz.. O ser humano aguenta por um tempo, mas, depois, quer voltar a sua doce essência. Mas a sociedade gostou do encosto e fica esse drama. O negócio é ir num exorcista. É de enlouquecer. Meu amigo Geraldo Pedrosa sabe renegar o Vandré e viver longe dele, no Rio de Janeiro. Mas Belchior passou dez anos fugindo de Belchior sem conseguir, perambulando pela América Latina. Ontem, numa cidade do interior do Rio Grande do Sul, ele conseguiu. Finalmente, a paz.

Mário Bortololotto (ator, compositor e cantor no Saco de Ratos) - depoimento pela página no Facebook:  - Ontem a gente tava aqui no City Bar em Campinas e falávamos sobre ele. Sempre falamos muito dele. A gente falava que a qualquer momento ele ia aparecer com um trabalho inédito e surpreendente. Ontem nem passou pela nossa cabeça a notícia triste de hoje. Pra mim, um dos caras mais importantes da música brasileira. Sempre que eu pegava um violão, me vinha uma música dele na cabeça. Não consigo escrever muito. Não,hj um tango não me cai melhor que um Blues.


André Christovam (guitarrista, cantor e compositor) - depoimento pela página no Facebook:  O artista obscurece a ótica da pessoa que antes de o ser andava como os outros, observava e criava sob uma perspectiva simples... Uma vez exposto e transformado em figura publica a expectativa é de que sua criatividade seja eterna... Não é... A arte da sintonizar e expressar o consciente coletivo é rara e poucos são capazes de se manter produtivos com a mesma perspicácia! Na maioria vivemos da atenção de poucos saudosistas que nos sustentam frequentando nossos shows e apreciando nossa parca arte! Somos descartáveis... A eternidade é para poucos!

Alex Antunes (jornalista, produtor e cantor) - depoimento pela página no Facebook: Be God! Não vi ninguém postar essa na voz do erasmo, que sempre dá aquele ar mais casual dele, e quando estava no melhor da sua forma, tanto voz quanto arranjos (banda dos contentes, 76). então aí vai..




Oswaldo Vecchione (músico, compositor e cantor da banda Made In Brazil) - depoimento pela página no Facebook: Morreu hoje, o amigo, cantor, poeta e grande compositor Belchior. Em todos os nossos encontros, em programas de TV, na Ordem dos Músicos, em bares, em vários lugares, sempre muito simpático, sempre nos tratando com amizade e respeito, sempre puxando conversa, querendo saber do Made, de shows , discos... Grande figura, um ser humano do primeiro time! RIP Belchior!



Ednardo (cantor, compositor e músico) - depoimento pela página no Facebook : VÁ EM PAZ PARCEIRO BELCHIOR. 30 . 04 . 2017












André Youssef (tecladista do Tritono Blues) - depoimento pela página no Facebook: RIP Belchior ! Lá se vai o poeta que não se encaixava em nossa sociedade... Um fato curioso é que o primeiro CD do Tritono Blues (Groovin) foi gravado há 10 anos no Estúdio Fortaleza, que era do Belchior. Nessa época ele já estava desaparecido... #belchior #ripbelchior







Péricles Cavalcanti (cantor, violonista e compositor) - depoimento pela página no Facebook: Soube, agora, que morreu Belchior! Que notícia triste!  Embora há tempos não o visse, me lembro com muito carinho dos encontros que tive com ele nos anos 80 e 90, e como ele era educado (além de música gostava muito de livros e de conversar sobre eles!) e gentil! Triste!


Álvaro Assmar (guitarrista e compositor) - depoimento pela página no Facebook: : Soube há pouco, com muita tristeza sobre o falecimento do cantor e compositor BELCHIOR. Tive o prazer de entrevistá-lo em 1993 na Rádio Cidade, em Salvador e nos tornamos amigos! Uma grande perda para a música popular brasileira, que teve em Belchior um dos seus maiores representantes. Descanse em paz, meu amigo e obrigado por tudo! Foto por Val Araújo em 1993 no pátio da Rádio Cidade.



 Links relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário