sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Os Paralamas do Sucesso "Sinais do Sim" em LP





O mais recente trabalho dos Paralamas do Sucesso, "Sinais do Sim", foi lançado hoje (15/12/2017) em vinil pela Polysom / Universal Music.

O baterista João Barone comentou em sua rede social a felicidade de Os Paralamas serem lançados novamente do formato "LP".



"Habemus vinilium! Emocionante ter novamente em mãos um objeto que marcou a vida de tanta gente durante tanto tempo, trazendo o significado mais concreto da palavra música. Do vinil viemos, ao vinil voltamos, que venham mais!"

#osparalamasdosucesso #sinaisdosim #vinil














"Sinais do Sim" - videoclipe




Veja também:

Entrevista no Vitrola Verde com João Barone falando das gravações do disco

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

PAD "Estranho Mundo Novo" (videoclipe)

PAD - Foto: divulgação

PAD divulga novo videoclipe


Banda de Pop Rock Nacional que é composta pelos veteranos Marcos Kleine (guitarra), Fabio Noogh (voz), Thiago Biasoli (bateria), Will Oliveira (baixo), Leandro Pit (guitarra) e Rodrigo Simão (teclado).

Faixa: "Estranho Mundo Novo"
Autores: Marcos Kleine / Fabio Nog
Direção do videoclipe: Eduardo Galeno

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Ira! - Entrevista "Lançamento digital e DVD Ira! Folk"

Cesar Gavin e Ira!

Programa Vitrola Verde
Direção, reportagem, pauta e edição por Cesar Gavin.
Trilha de abertura: "Rock" (Mario Fabre)
Imagens: Vitrola Verde
Gravado na Livraria Cultura em 05/12/2017

Ira! - Entrevista "Lançamento digital e DVD Ira! Folk"  

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Mercenárias - Entrevista + Musical



Show: Mercenárias e Patife Band
Local: Sesc Pompéia
Data: 24/11/2017



As Mercenárias se apresentaram diversas vezes no Sesc Pompeia no inicio dos anos 1980. A primeira, foi em 1983 ao lado dos Titãs e Ira! e, no mesmo ano, tocaram no programa Fábrica do Som, que era gravado no Teatro do Sesc. Em 1986, as Mercenárias lançaram o LP “Cadê as Armas” pela Baratos Afins, e esse foi o primeiro LP de rock independente gravado apenas por mulheres no Brasil.

No ano seguinte lançaram “Trashland” por uma grande gravadora, fizeram alguns shows e a banda acabou. No inicio dos anos 2000 as Mercenárias voltaram a tocar. Na mesma época, a gravadora inglesa Soul Jazz lança uma coletânea da banda, o que torna as Mercenárias uma banda cultuada no mundo todo.





Entrevista




"Dá Dó"




"Eu Não Consigo Mais Dormir"


"Homem Bicho"



"Inimigo"



quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Paulo Baranbé (Patife Band) - Entrevista + Musical



Programa Vitrola Verde
Direção, reportagem, pauta e edição por Cesar Gavin.
Trilha de abertura: "Rock" (Mario Fabre)
Imagens: Vitrola Verde
Gravado no Sesc Pompéia em 25/11/2017





Patife Band No inicio da década de 1980, Paulo Barnabé participou dos principais discos da Vanguarda Paulista como Clara Crocodilo, Beleléu e Tubarões Voadores.

Depois de tantas experiências com seu irmão Arrigo e com Itamar Assunção, em busca de linguagem própria, ele montou a sua banda, a Paulo Patife Band.

Em 1987, a Patife Band lançou o disco ‘Corredor Polonês’, misturando punk rock, jazz e música brasileira. É um disco muito difícil de rotular, mas o Pós Punk lhe cai bem. Após o lançamento do LP, a banda dura mais um ano e volta à ativa apenas em 2003.







Neste episódio do Vitrola Verde, Paulo Barnabé comenta a trajetória da sua carreira e também o clássico álbum "Corredor Polonês, lançado em 1987 pela Warner.

Produzido por Pena Schimidt








Entrevista - "Punk Rock Experimental"




"To Tenso" ao vivo no Sesc Pompéia

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Restos de Nada ao vivo no Sesc Pompéia (2017)

Restos de Nada - Foto: Cesar Gavin

40 anos do Punk Rock

Show: Restos de Nada e AI-5
Local: Sesc Pompéia
Data: 24/11/2017

A Restos de Nada Banda seminal do punk rock paulista, provavelmente a primeira banda punk do Brasil, o Restos de Nada surgiu quando ainda era impossível para os punks gravarem em estúdio e os shows eram escassos. Em 1987 a banda se reuniu para gravar as velhas canções em um LP lançado pela Devil Discos, desde então a banda se encontrou esporadicamente para tocar, até que, com a morte do seu fundador, Douglas, em 2013, a banda parou de tocar. Em junho de 2017, pela primeira vez desde a gravação do Lp em 1987, Ariel e Clemente se reuniram para tocar as músicas do Restos de Nada.

Formação atual:
Ariel - vocais
Clemente - baixo
Luiz - guitarra
Nonô - bateria

"Rebeldia Incontida"



"Deixe-me Viver"




Veja também: 

Entrevista com Nonô (baterista do Restos de Nada e Inocentes)





Links relacionados:

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Cherry Taketani - Memorial


+ 3/12/2017

Cantora, guitarrista e compositora das bandas Okotô, Hellsakura e Nervochaos.


Saiba mais:

Barão Vermelho anuncia novo baixista

Márcio Alencar - Foto: divulgação


O baterista do Barão Vermelho, Guto Goffi anunciou em sua rede social (Facebook) o nome do novo baixista do grupo: Marcio Alencar, músico que já tocou com Paula Toller e o Biquini Cavadão.

Marcio integra a banda substituindo Rodrigo Santos que deixou o grupo em novembro para se dedicar a carreira solo.

Leia na integra a postagem de Guto Goffi:


sábado, 2 de dezembro de 2017

Nonô (baterista) - Entrevista "Inocentes e Restos de Nada"



Programa Vitrola Verde
Direção, reportagem, pauta e edição por Cesar Gavin.
Trilha de abertura: "Rock" (Mario Fabre)
Imagens: Vitrola Verde
Gravado no Sesc Pompéia em 25/11/2017


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

AI-5 "Os pioneiros do Punk Rock brasileiro"

AI-5 - Foto: Cesar Gavin

AI-5 no Sesc Pompéia


Ai-5  - Formada em 1978, através de um anúncio colocado na loja WopBop, o Ai5 gravou uma demo e tocou no primeiro show punk de São Paulo, no porão de uma padaria no Jardim Colorado. O show foi produzido pelo Kid Vinil e contou também com o Restos de Nada.

Sem muitos outros shows ou disco lançado a banda acabou em 1979. Em 1995 o Ratos de Porão regrava a faixa John Travolta, em seu disco de covers “Feijoada Acidente” e o AI5 vira uma banda cult. Em 2017, a banda volta a ativa para celebrar o relançamento em CD, pela Baratos Afins, da demo gravada em 1980.








Capa do CD


Fotos e imagens por Cesar Gavin

AI-5


Programa Vitrola Verde
Direção, imagens, reportagem, pauta e edição por Cesar Gavin
Data: 24/11/2017




"Velho Ancião"



"Sem Deus"



AI-5 com Regis Tadeu "Trenzinho da Alegria" 




Veja também:

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Wanderléa "Foi Assim" (livro)


Autora: Wanderléa
Editara: Record, 2017


Foto: Divulgação / Editora 34



A autobiografia de uma das cantoras mais queridas do Brasil. 

Com seu talento, carisma e uma trajetória surpreendente que marcou época, Wanderléa é uma das cantoras mais queridas do Brasil. Ao lado de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, deu origem à Jovem Guarda, um dos movimentos musicais de massa de maior impacto no país. Relembrando desde a infância em Minas Gerais e o sucesso ainda muito jovem até a consagração como ícone da música brasileira, a “mistura de cigana e teenager centenária” conta histórias inéditas de sua carreira, de inúmeros sucessos e grandes adversidades, incluindo os momentos ao lado de nomes de peso da música brasileira, como Roberto e Erasmo, parceiros de Jovem Guarda e amigos para toda a vida.

Ratos de Porão - Ao vivo no Sesc Pompéia + Entrevista

Ratos de Porão - Foto: Cesar Gavin

40 anos do Punk Rock

Show: Ratos de Porão
Local: Sesc Pompéia
Data: 23/11/2017

Formado em 1981, o grupo Ratos de Porão passou por diversas fases e formações, e é provavelmente a banda punk há mais tempo em atividade, sem nunca ter parado de tocar. Da formação original só resta o guitarrista Jão, mas a formação atual data de 2004 e é a mais duradoura da história da Ratos.

Imagens e Fotos por Cesar Gavin


Ratos de Porão no Sesc Pompéia


Entrevista com João Gordo e Boca



"Asas da Vingança"



"Morrer"




Veja também:

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Impéria - "Em Dias Assim" (CD)

Impéria - Foto: Acervo da banda / Divulgação



Primeiro trabalho da banda Impéria tem assinatura de músico do Barão Vermelho 




Fernando Magalhães é o produtor do álbum “Em Dias Assim”.

A banda paulistana Impéria, formada por Marcio Deliberalli (vocal), Felippe Deliberalli (guitarra), Flavius Deliberalli (bateria) e Ricardo Ueno (baixo), lançou seu primeiro CD, intitulado “Em Dias Assim”. Quem assina a produção do trabalho é ninguém menos que o guitarrista do Barão Vermelho, Fernando Magalhães. “Tenho quase trinta anos de rock and roll e eu gosto muito de produzir bandas novas, gosto de estar com a galera nova. Já produzi bandas como Detonautas, entre outras. Agora estou trabalhando com a banda Impéria, que tem um gás maneiro. Gostei muito do repertório e da mensagem que eles querem passar”, diz o experiente guitarrista. O álbum foi gravado no Studio Latitude, em São Paulo (SP).


O início

A banda teve início em 1996, a partir da reunião de amigos de escola. Nos dois anos seguintes a primeira formação passou por algumas modificações. Dos integrantes iniciais, alguns seguiram na música, outros se enveredaram por caminhos diversos. Em seguida, o embrião da banda - os irmãos Flavius e Felippe, e o primo Marcio - ganhou o reforço de Luiz Henrique, que por alguns anos foi o baixista e ajudou a definir o direcionamento musical do quarteto: um Hard Rock consistente com elementos de Heavy Metal.

O caminho 

O grupo superou um período conturbado, que teve início em meados de 2002 e só terminou em 2005, quando finalmente, após muitos testes, Ricardo Ueno foi o escolhido para assumir definitivamente a função de baixista. “Ficamos algum tempo sem baixista, ensaiando, compondo e fazendo testes. Eu e o Ricardo cursamos a faculdade juntos e eu sabia que ele era músico também. Depois de alguns anos eu liguei para ele e perguntei se ainda estava tocando e se gostaria de se juntar a nós. Disse que minha banda estava sem baixista e que se ele quisesse poderíamos fazer uns ensaios para ver o que ia sair. Ele topou e duas semanas depois a banda finalmente estava completa novamente”, conta Flavius. Desde então, a banda passou a dedicar-se com mais afinco ao processo de composições próprias, iniciando o trabalho com fragmentos que hoje integram o “Em dias assim”. No ano de 2007, quando boa parte das músicas já estava pronta e Felippe, o principal compositor do quarteto, apontava para uma seqüência conceitual, a banda começou a fase de pré-produção com a gravação de uma demo. Além disso, houve um expressivo aumento no número de shows em casas noturnas da capital paulista, principalmente em festivais de música própria.

Em Dias Assim 

Riffs de guitarra pesados e levadas bem definidas e encorpadas são as características que melhor definem a banda Impéria e a sonoridade do seu primeiro álbum.

O CD é conceitual e cada faixa conta um pedaço da história de um ser em evolução. “Trata-se de um álbum conceitual sobre o mundo e sobre cada um de seus habitantes. E se fala sobre humanos, fala sobre transformação. Existe algo acontecendo no mundo e isso engloba todos os aspectos das vidas das pessoas. Precisamos nos libertar de antigos padrões que nos obrigam a viver com a sensação de estarmos perdidos nesse mundo, fingindo a felicidade e correndo para todos os lados procurando em religiões, políticas, modismos e tudo aquilo que nos tira a responsabilidade de pensar, respostas que só podem ser encontradas dentro de nós”, explica Felippe. “O objetivo é fazer as pessoas pensarem, crescerem e sempre contribuir com a evolução de quem nos ouve. O álbum é forte, com muita personalidade. Espero que seja bem recebido pelo público, pois se conseguirmos mostrar o que queremos para apenas uma pessoa, o trabalho não será em vão. Não tem outra palavra que possa definir melhor: é Rock and Roll, sem frescuras. Temos várias influências e cada uma delas contribui de alguma forma para que a sonoridade tenha uma base forte e com muita energia”, diz Marcio. “Espero que as músicas e a sonoridade do álbum sejam atemporais, que ele seja um trabalho atual, independente de quando seja ouvido”, comenta Ricardo. “É um som um pouco diferente do que se ouve por aí. É forte, consistente, marcante e as letras te fazem pensar”, conclui Flavius.

Novidades à vista 



No último mês de fevereiro de 2017, a banda lançou o single “Liberte Seus Instintos”, que mostra uma nova sonoridade, mais madura e pesada. A banda deve lançar ainda neste ano outros três singles e um novo álbum completo em 2018.








"Liberte seus instintos" (Lyric video oficial)



Contatos: http://www.bandaimperia.com/


sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Lixomania ao vivo no Sesc Pompéia / Entrevista - 40 Anos de Punk Rock

Lixomania - Foto: Cesar Gavin

Lixomania ao vivo no Sesc Pompéia
Data: 23/11/2017
Fotos e imagens por Cesar Gavin


Em 1982 o Lixomania lançou o compacto “Violência e Sobrevivência”, que é o primeiro registro em vinil de uma banda punk na América do Sul. Fizeram alguns shows, incluindo “O Começo do Fim do Mundo” e um show histórico no Circo Voador; logo depois a banda acabou.

Em 2004, a gravadora japonesa Speed State lançou um CD com as músicas do compacto e várias gravações inéditas e então a banda voltou a se reunir e tem se apresentado ao vivo e gravado discos, incluindo um CD ao vivo no Sesc Pompeia, em 2012


Lixomania no Sesc Pompéia


Entrevista




"Presidente"




"OMR (Ódio, Amor e Revolta)"




"Punk"




Veja também:

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Engenheiros do Hawaii - "Revolta dos Dandis (30 anos)" - Entrevista na Unisinos FM





Entrevista na Unisinos FM

Rodrigo de Oliveira reúne virtualmente o trio clássico dos Engenheiros do Hawaii neste podcast sobre o disco A Revolta dos Dândis. Confira a entrevista com Humberto Gessinger, Augusto Licks e Carlos Maltz no Rock Brasil 3.0!
Ficha técnica:
Direção, roteiro e entrevistas: Rodrigo de Oliveira
Produção: Natália Collor e Nicole Roth
Trabalhos técnicos: Alberto Valvassori e Luiz Henrique "Café" Machado.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

"O Punk Não Morreu" (Revivem "O Começo do Fim do Mundo" de 1982) - Bastidores

Ensaio - Cesar Gavin, Anselmo (Inocentes), Mingau (Ultraje a Rigor) e Muniz (Fogo Cruzado e 365)

"O Punk Não Morreu" 

Para comemorar os 40 anos que o punk rock completa em 2017, o Sesc Pompeia apresenta em novembro, 5 dias de shows com algumas das primeiras e mais influentes bandas punks e pós-punks de São Paulo.

Ensaio com Clemente, Mingau e Muniz na banda, e os vocais revezados por diversos artistas que cantaram no festival "O Começo do Fim do Mundo", em 1982.



Fotos e imagens do ensaio por Cesar Gavin

40 Anos de Punk Rock


Playlist

domingo, 19 de novembro de 2017

Velhas Virgens no programa The Noite (2017)


Velhas Virgens - Acervo da banda

Programa The Noite (SBT)
Apresentação: Danilo Gentili
Data: 17/11/2017


A banda relata detalhes da gravação do DVD que marca as três décadas da banda, que teve como locação a casa “Love Story”, em São Paulo.

Entrevista




Musical

sábado, 18 de novembro de 2017

Primavera nos Dentes no Altas Horas (bastidores)

Primavera nos Dentes - Foto: Cesar Gavin


Primavera nos Dentes tocando ao vivo, neste sábado, 18 de novembro no Altas Horas

Fotos dos bastidores por Cesar Gavin


Primavera nos Dentes no Altas Horas


"Sangue Latino"




"O Vira"

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Pavilhão 9 ao vivo no Sesc Pompéia (2017)

Pavilhão 9 - Foto: Cesar Gavin
Como parte do projeto Plataforma, que engloba o lançamento de shows musicais inéditos, CDs e DVDs, o Pavilhão 9 sobe ao palco da Comedoria do Sesc Pompeia, nos dias 10 e 11 de novembro, para duas apresentações que marcam a volta do grupo ao mercado fonográfico.  A banda, que tem como linha de frente Rhossi e Doze, leva ao Sesc o peso de sua nova formação, que conta com o baterista Leco Canali, o baixista Heitor Gomes e o guitarrista Rafael Bombeck, e apresenta ao público seu mais recente disco, Antes Durante Depois. 

Composto por músicas que abordam o cotidiano da periferia, o momento conturbado vivido pelo país, a questão dos imigrantes e outras discussões políticas e sociais que sempre marcaram o trabalho da banda, o álbum ainda traz guitarras marcantes e linhas de baixo nervosas que se fundem com o hip hop, mantendo o estilo único da banda.

Para as apresentações no Sesc, a banda convidou parceiros que fazem parte da história da banda. No dia 10, dividirá o palco com a banda Andreas Kisser guitarrista do Sepultura, e Reginaldo 16 Toneladas, que participa da faixa “Na Malandragem”, do novo álbum do Pavilhão. 

☛ Serviço:   Pavilhão 9 Lançamento do CD ‘Antes Durante Depois’


Fotos e imagens: Cesar Gavin

Pavilhão 9




"Antes, Durante e Depois"




"Tudo Por Dinheiro"




"Mandando Bronca" - Com Andreas Kisser




"Polícia" (Titãs) - Com Andreas Kisser



terça-feira, 14 de novembro de 2017

Branco Mello - Entrevista #2 no Vitrola Verde



Entrevista #2 "O Amor é uma coisa feia / Pânico em SP"

Programa Vitrola Verde
Direção, imagens, reportagem, pauta e edição por Cesar Gavin
Data: 14/11/2017





Assista a primeira parte da entrevista aqui

O baixista Rodrigo Santos deixa o Barão Vermelho

Rodrigo Santos - Foto: acervo do artista


Rodrigo Santos, na banda desde 1992, deixa o Barão Vermelho para se dedicar a carreira solo. Segue nota da banda e do artista publicada no Facebook.


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Made in Brazil ao vivo no Centro Cultural

Made in Brazil - Foto: Cesar Gavin

Made in Brazil ao vivo no Centro Cultural



Oswaldo Vecchione - voz, baixo e guitarra
Celso Vecchione - guitarra
Ricky Vecchione - bateria
Ziggy Mendonça - guitarra
Rubens Nardo - violão e vocais
Solange Blessa - vocais
Ivany Venâncio - vocais
Tiago Mineiro - teclados














Uma das bandas precursoras do rock’n’roll no Brasil, o Made in Brazil é símbolo de longevidade e personalidade na música. Formado em 1967, no bairro da Pompeia, em São Paulo, e com influências que vão de Rolling Stones, Kinks, Animals e Yardbirds até bluezeiros clássicos, o grupo paulistano é reconhecido por sua pegada clássica, ritmo dançante e letras irreverentes, como manda a cartilha do rock. 

Além dos dois shows comemorativos dos 50 anos da banda, a programação ainda traz um bate-papo, uma exposição temática – que conta a história do grupo por meio de capas dos 15 discos oficiais, reportagens de jornais e revistas, roupas, fotos, cartazes e folhetos de shows históricos – e a exibição em primeira mão do documentário do diretor Egler Cordeiro Made in Brazil – O Filme.


Fotos - Show 04/11/2017

Made in Brazil - 04/11/2017


Fotos - Show 05/11/2017

Made in Brazil - 05/11/2017


"Vou te virar de ponta cabeça" - Participações: Participações: Paulo de Carvalho (voz), Dimas Zanelli (bateria) e Alberto Seid (baixo)




"Gasolina" - Participações: Caio Flávio (voz), Theo Werneck (violão) e Netinho (bateria).




"Tudo Bem, Tudo Bom/ Anjo da Guarda" - Participações: Simbas (voz), Beto Cury (bateria)



"Menina Pare de Gritar" - Participação: João Gordo




 Minha Vida é o Rock'n' Roll - final do show




Made in Brazil + Ivan Busic "Paulicéia Desvairada"




"Uma Banda Made In Brazil" - Participações: Caio Flávio (voz), Ivan Busic (bateria), Theo Werneck (violão) e Caio Durazzo (guitarra)




"O Bom" - Participações: Eduardo Araújo (voz e gaita) e Theo Werneck (violão)

terça-feira, 7 de novembro de 2017

sábado, 28 de outubro de 2017

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Guilherme Isnard - Entrevista



Programa Nossa Gente Show (TV Trapuá)
Apresentação: Marcello Mancha
Data: 28/06/2017

Primavera nos Dentes ao vivo no Metrópolis .

 Duda Brack, Charles Gavin com unha Junior
Programa Metrópolis
Apresentação: Cunha Junior
Data: 22/10/2017

Primavera nos Dentes - O projeto, que faz uma releitura de alguns sucessos do Secos & Molhados, é liderado pelo ex-bateirista do Titãs, Charles Gavin. 

Secos & Molhados surgiu na década de 70, em um dos desdobramentos do movimento Tropicália. Com composições de João Ricardo e João Apolinário complementadas pelo vocal de Ney Matogrosso, o grupo é considerado como um dos mais importantes da história da música brasileira.

Junto com Gavin, compõem o Primavera nos Dentes Pedro Coelho, no baixo; Paulo Rafael, na guitarra; e Felipe Ventura, mesclando violino e guitarra. Fazendo as vezes de Ney Matogrosso, Duda Brack completa o quinteto com seu poderoso vocal. Com maiores distorções instrumentais e uma agressividade mais rock and roll, Primavera nos Dentes faz uma recriação da “extraordinária obra do Secos & Molhados”, como gosta de ressaltar o próprio Gavin


Vitrolla 70 ao vivo no Sesc Pompéia

Vitrolla 70 - Foto: Cesar Gavin
Vitrolla 70 ao vivo no Sesc Pompéia
Data: 25/10/2017

Toda base musical do Vitrolla 70 vem dos anos 60, 70 e 80, inspirados em ícones da música internacional como Ray Charles, Marvin Gaye, Stevie Wonder, Michael Jackson, Prince, entre outros e nacional como Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Luiz Melodia, Elza Soares, Wilson Simonal e Jorge Ben Jor, a banda apresenta seu repertório autoral.

Fotos por Cesar Gavin


Vitrolla 70



Video por Geraldo Vieira

sábado, 14 de outubro de 2017

Renato Russo - Exposição no MIS

Foto: Cesar Gavin

A Exposição Renato Russo presta homenagem a um dos maiores ícones da música brasileira e é a quarta exposição idealizada e concebida totalmente pelo museu.  A mostra conta com curadoria de André Sturm – ex-diretor do MIS –  e direção de arte do Ateliê Marko Brajovic. Giuliano Manfredini, único filho do artista, concedeu ao MIS total acesso ao apartamento de Renato Russo confiando à equipe do museu sua catalogação, conservação e adaptação para a exposição.

A exposição Renato Russo é apresentada pela Samsung Conecta e pelo Ministério da Cultura.  Renato Russo apresenta, por meio de uma experiência imersiva, a vida e a obra deste ícone do rock brasileiro. A exposição, que parte exclusivamente do acervo de Renato Russo, apresenta objetos pessoais, peças de vestuário, fotografias, manuscritos, instrumentos musicais, documentos escolares, desenhos, cartas de fãs, além de prêmios, fanzines, folhetos e impressos variados que irão percorrer toda a sua trajetória. O público pode mergulhar no caráter multifacetado de Renato Russo, que, além de grande letrista, também produziu desenhos e pinturas, bem como uma peça de teatro e projetos cinematográficos. Particularidades como suas coleções de anjos e de baralhos de tarô também podem ser vistas.

Pesquisa e conservação

A exposição é resultado de uma vasta pesquisa realizada no acervo que se encontrava no apartamento, localizado no Rio de Janeiro, onde Renato viveu no período de 1990 a 1996. O trabalho do CEMIS (Centro de Memória e Informação do MIS) iniciou em março de 2015, e desde então, a equipe vem trabalhando na organização e conservação de objetos e documentos, além de realizar um intenso trabalho de pesquisa que irá contextualizar essa documentação e relacioná-la ao processo criativo de Renato Russo.

Serviços:
exposição / música 
07set2017 a 28jan2018


HORÁRIOS

10h-21h ter a sáb
09h-19h dom e feriados

Fotos por Cesar Gavin


Renato Russo - Exposição